Nalucinha ♡

veja bem… não foi quando eu nasci que ela se tornou mãe. ela já era mãe de outros quatro e se deixasse ela seria mãe de mais uns 10. porque é assim, o coração dela e do meu pai, mesmo já tendo cinco eles acham que sempre tem espaço pra mais filhos.

ela conta que eu não fui plano dela, mas de Deus. que Ele me trouxe pra ela. simples assim. e Ele me fez igualzinha a ela – a aparência, a personalidade, os sonhos… tudinho! e muito do que eu sou hoje, devo a ela.

eu não me lembro de não vê-la trabalhando, lutando sempre pra nos dar o melhor, pra que a gente um dia realizasse todos os sonhos que Deus fez nascer no coração dela pra nós. ela, junto do meu pai, sempre pegou no nosso pé pra sermos educados, estudiosos, ensinou sobre Deus e nos fez sermos amigos dEle.

ela me ensinou tudo sobre limpar a casa, sobre arrumar a louça, sobre cozinhar… me deixava ficar no pé dela observando e falando sem parar enquanto ela fazia todas as coisas, e assim ela sempre me ensinava, mesmo sem perceber.

ela é uma avó maravilhosa! ensina coisas erradas pros netos, sofre quando eles ficam doentes, mima demaaaaaais. e eu só consigo imaginar como quero que ela faça o mesmo pelos meus filhos!

quando eu saí de casa, ela e o meu pai foram quem mais me encorajaram. eles é quem apostaram tudo em mim. e apesar dela nunca lembrar qual o curso que eu faço (TERAPIA OCUPACIONAL, MÃAAAAE), e sempre explicar tudo errado pra quê eu tô fazendo isso, eu sei que ela se orgulha de mim. e essa é a minha maior alegria!

hoje, a 300km de distância, eu sinto falta da comida dela, do beijo e do abraço de quando ela chega a tarde do trabalho, do assovio que ela dá sempre que tá abrindo o portão e da pergunta de sempre: “tem café?”. eu sinto falta de observar ela cozinhando as coisas mais gostosas do mundo e de comer até ficar empanturrada. sinto falta das coisas doidas que ela diz e que sempre me fazem rir até chorar. mas mesmo de longe, ela continua me cuidando. me dá bronca quando fico doente, me aconselha sobre meus relacionamentos, me ensina as mais diversas receitas de coisas aleatórias que ela acha no Facebook… e me ajuda a me tornar uma mulher parecida com ela a cada dia!

ela é a melhor mãe que eu poderia ter! é a melhor mulher em quem eu poderia me inspirar! é a avó mais maluca que eu conheço! é a minha mãe!

feliz seu dia, Nalucinha! eu amo você! ♡

os profissionais da saúde que parecem não gostar de pessoas

eu tô indo pro quarto ano de faculdade! O PENÚLTIMO! e quando eu olho pra trás e vejo o tanto de coisa que eu já aprendi e o tanto de caminho que eu já percorri, penso que é só o começo, levando em consideração a formação que eu pretendo ter e os objetivos que quero alcançar. mas além das técnicas e teorias sobre a terapia ocupacional, meu processo envolve também a minha formação pessoal, já que a pessoa que eu sou reflete nitidamente na terapeuta ocupacional que estou me tornando e nas minhas práticas.

hoje pensei muito sobre isso. sobre como as pessoas que estão ao meu redor estão vivenciando seus processos e caminhando para uma formação não só acadêmica, mas pessoal também.

tive um treinamento de estágio hoje (PRO QUAL EU TÔ BEEEEEEEM ANSIOSA!), em conjunto com vários outros cursos da área da saúde e sinceramente me decepcionei com a postura que algumas pessoas, que teoricamente poderão cuidar de mim e da minha família no futuro, tiveram. não é que eu ache que todas as pessoas que vão cuidar de outras pessoas tem que se encaixar num certo perfil, mas me parece justo que, levando em consideração o compromisso firmado ao se formar em um curso que se baseia no cuidado, se tenha ao menos o mínimo de respeito pelo outro sendo ele seu cliente, paciente, usuário, colega de trabalho, chefe ou mesmo alguém simplesmente apresentando o serviço em que você vai estar atuando por algum tempo.

falo isso do meu lugar de profissional da saúde em formação, depois de ter ficado extremamente incomodada pelo desrespeito que observei hoje e após perceber que na verdade venho acompanhando várias situações parecidas durante esses anos de graduação. isso me faz questionar quem é que vamos ter daqui alguns poucos anos atuando como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e mesmo TOs, e me incomoda saber que talvez toda uma profissão será taxada por conta de profissionais que se deixam esquecer que trabalhar na área da saúde é trabalhar com a vida das pessoas e diretamente com elas.

acho que na verdade o respeito para com o outro, independente de quem ele é e de que lugar você está, deveria ser prioridade, não importa se você não tem nem o ensino fundamental completo ou se tem um diploma de pós-doutorado da melhor universidade do mundo. acho também que antes de aprender sobre todas as especificidades de sua profissão deveria se lembrar de quem é o ser humano, de como ele é frágil e de que, se você é um profissional da saúde, é seu dever cuidar dele.

Hoje não sou eu não…

hoje não sou eu quem vos escreve, e sim meu irmão querido, mais velho e o mais legal de todos, e sim, obviamente é ele escrevendo sobre ele mesmo, mas como a Nacarla pensa tudo isso de mim também, vai ficar desse jeito.

Hoje foi dia de cuidar dos sobrinhos enquanto a cunhada (minha esposa) e eu dávamos um rolê rápido pela cidade. Deixar o carro pra lavar enquanto andávamos e fazer render a uma hora e quarenta que isso demoraria pareciam difíceis, mas ora vejam só, uma pessoa que queria comprar só um vestido para a filha conseguiu demorar duas horas e meia, além é claro de comprar muito mais roupas pros pequenos, maquiagem, uma bolsa nova, ganhar um vestido, ficarmos com fome de novo e quando enfim terminada a vadiagem descobrir que precisava tirar dinheiro pra pagar o lava rápido que não passa no débito mas faz um serviço de primeira, de verdade! (eu recomendo)

Além de chegarmos uma hora atrasados, pois o lava rápido fechava as 18h, e sem dinheiro nas mãos, ainda fizemos o favor pra dona do estabelecimento de deixar algumas das compras com ela enquanto buscava o resgate do novo (e limpo!) veículo.

Ao retornar à casa, tomamos café, nos perdemos na realidade alternativa que é o youtube, e quando nos demos conta já eram dez da noite, e como não podia deixar de ser, continuamos a bagunça por ali mesmo até o último dia do ano começar…e sempre é assim quando essa mocinha vem pra casa, a gente bagunça um pouco mais, dorme mais tarde, sai da rotina…mas sempre é muito bom, afinal, matar as saudades dessa magrela é ótimo, para nós e para eles ( Bea e Migs).

Agora que descobri esse spazzio vou tentar aproveitar mais vezes, não escrevendo, é claro, mas lendo as aventuras dessa magrela. Espero que vocês também. Abx

look gótica suave

depois que eu comprei esse batom que tem uma cor mais escura (meio gótica trevosa), rolaram muitos looks nesse estilo, mas esse, em especial, virou meu queridinho. eu tava louca por um colete já fazia um tempinho e quando eu encontrei esse mais despojado eu ADOREI! sem contar que nesse look ainda tem um oxford de camurça que virou minha mais nova paixão, e esse moletom Mullet (mais curto na frente) que também está entre os meus favoritos.

os coletes são peças muito versáteis que podem ser usadas tanto no inverno quanto no verão e podem ser combinados com vestidinhos, shorts, calças, saias… com todo tipo de roupa e pra todo tipo de ocasião. existem os coletes de tecido, alguns com corte de alfaiataria, os mais alongados, com pelinhos, de couro e mais uma infinta variedade. vale apostar nos diversos estilos e criar looks mais sofisticados ou mais informais, de acordo com sua necessidade.

escolha o seu e faça sua combinação!

lookgoticasuave

colete We Love Jeans – Denin Collection Marisa
moletom Mullet com estampa étnica Marisa
calça aveludada com detalhes em zíper Marffino
oxford de camurça Beira Rio
batom Matte PLUM WINE da Kiss Products

e de repente, Ele floresceu em mim ♡

eu conheço Jesus desde sempre! eu cresci frequentando a igreja e ouvindo tudo sobre o que Ele fez, sobre como o Pai amou taaaaaanto o mundo que O enviou para que todos nós fossemos salvos e recebêssemos perdão, e sobre como nós não merecemos nada disso.

mas existe uma grande diferença entre ouvir, entender e praticar… e até que eu aprendesse isso, como com tudo na vida, as mudanças em mim aconteceram aos poucos. 

meu processo de conversão começou em dois mil e quatorze, quando eu me mudei pra cá. como sempre, Ele sabia o que estava fazendo e decidiu se apresentar a mim com uma linguagem mais acessível e mais próxima a minha realidade. foi nesse ano que eu comecei a entender um pouco sobre como a graça dEle é incompreensivelmente maravilhosa e sobre como a morte dEle na Cruz foi por cada um de nós pecadores e que foi por TODOS, sem nenhuma exceção, que Ele passou por tudo aquilo. 

no ano seguinte foi a vez de aprender sobre como Ele quer que a gente viva, foi sobre mudança de caráter e sobre entender o que é viver o evangelho dEle (e nesse caso, entender não é necessariamente começar a praticar). esse ainda foi um ano para aprender a ser grato, de perceber que não importa o que aconteça Ele nunca deixa de ser bom, Ele nunca deixa de ser Deus. E EU PRECISO AGRADECER POR ISSO TODOS OS DIAS, SIM! 

e então, durante esse ano, eu finalmente O conheci de verdade! passei a enxergar o quão raso era o nosso relacionamento e percebi a necessidade de me aprofundar nEle. e foi me aprofundando na sua grandeza imensurável que eu descobri que não sou nada, absolutamente nada e que Ele não tem motivo nenhum para me amar e me cuidar, mas que o faz assim mesmo. foi me aprofundando nEle que eu passei a ficar admirada ao pensar em como alguém tão grande me ama e pensa em mim a cada momento, como Ele me deseja, mesmo que eu prefira manter o nosso relacionamento raso. foi me aprofundando nEle e Lhe dando espaço que o seu brilho começou a refletir em mim e então levar o amor dEle virou consequência da minha vida, virou necessidade. 

hoje, eu ainda peco todos os dias, continuo sendo nada e não mereço nem uma gota desse oceano que é Jesus e seu amor, mas a morte dEle na cruz gerou frutos em mim, assim como uma semente que morre para frutificar, e me motiva todos os dias a morrer pra mim mesma e viver para que Ele seja conhecido. hoje, a minha vida não é mais minha porque Ele é a semente que floresceu em mim! ♡

como você quer que seus filhos nasçam?

antes de começar quero deixar claro que esse texto não é uma critica à maneira como as mulheres decidem ter seus filhos, mas sim à cultura em que estamos inseridas e que tira o protagonismo do parto e essa decisão das mãos das mulheres. e caso você não queira ler meu ponto de vista de pessoa inexperiente, peço encarecidamente que desça ao fim da página e dê uma olhada nos relatos de parto fixados.

eu não vejo a hora de ser mãe! acho que tenho essa vontade enorme desde pequenininha porque eu sempre adorei brincar de casinha com aquelas bonecas que parecem nenês e sempre adorei crianças. esse instinto materno é tão aflorado em mim que eu vivo imaginando meus filhos e as vezes eu até acabo tratando as pessoas ao meu redor como se fosse mãe delas, o que não é saudável, mas que acontece sem eu perceber…

acho que guiada por essa loucura pela ideia de ser mãe eu acabei conhecendo o parto humanizado e me apaixonei.

bom, eu tenho certeza que ao ler o termo “parto humanizado” já se passaram pela sua cabeça imagens de parto na piscininha e mulheres parindo em casa, mas na verdade a ideia do parto humanizado vai muito além disso.

depois de ler algumas coisas sobre o assunto, assistir alguns vídeos e documentários, e de participar de um curso sobre a humanização do parto na Rede Cegonha (que é o programa de atenção a mulher grávida do SUS), pude perceber que ao contrário do que se ouve por aí, o parto humanizado vai além da escolha do ambiente, da posição ou coisas do tipo, que acima de tudo é uma maneira de deixar que a natureza humana que existe em cada uma de nós guie esse processo com o acompanhamento profissional necessário, mas sem intervenções improprias.

eu, que sou apaixonada pela anatomia humana, acredito que nosso corpo foi criado para ser capaz de vivenciar os processos da gestação e do parto, porque pensa só: A GENTE CONSEGUE GERAR UMA VIDA NOVA DENTRO DE NÓS! UM SER HUMANO NOVINHO SAI DA GENTE! pra mim é impossível não perceber e acreditar em como somos capazes e em como esse processo pertence a nós.

acho que o que mais dificulta que as mulheres do nosso país (que tem o índice de cesária três vezes maior do que o recomendado pela OMS – Organização Mundial da Saúde), reconheçam sua potencialidade para gerar e parir seus filhos é a cultura que prioriza a vontade dos médicos, fornece pouquíssimas informações, e acaba as amedrontando e as fazendo desacreditar que são capazes.

mas é possível sim! e antes que você venha me acusar por não saber como um parto é na realidade por eu nunca ter passado por um, quero apresentar alguns relatos de partos humanizados que me emocionaram muito. espero que minha paixão e emoção possam ser transmitidas.

o primeiro é da Rafaela Medeiros, mãe do Heitor e da Eloa, que prova como o parto humanizado é lindo e pode ser acessível sim. (clique aqui)

o segundo é da Youtuber Gabi, mãe da Manuh e da Nina, que além de compartilhar o parto ainda conta um pouco sobre as duas gestações. (clique aqui)

“Humanizar é acreditar na fisiologia da gestação e do parto.
Humanizar é respeitar esta fisiologia, e apenas acompanhá-la.
Humanizar é perceber, refletir e respeitar os diversos aspectos culturais, individuais, psíquicos e emocionais da mulher e de sua família.
Humanizar é devolver o protagonismo do parto à mulher.
É garantir-lhe o direito de conhecimento e escolha.”

Eleonora de Moraes

algumas referências:
Despertar do Parto
Commadre – Apoio a gestação, parto, amamentação e pós-parto
Cadernos Humaniza Sus – Humanização do Parto e do Nascimento

era uma vez dois amigos que se encontraram e reencontraram tantas vezes que virou amor ♡

antes que você comece a ler esse texto, sugiro que coloque pra tocar aí a canção Notas de Rodapé, da Topaz (é a música que embala a história de amor que você vai ler agora)

tudo começou a 14 anos atrás, quando duas crianças se conheceram na escola e se tornaram inseparáveis. faziam os trabalhos de classe juntos, caçavam fantasmas no recreio, faziam parte da mesma turminha e se tornaram melhores amigos com o tempo.

um dia, tudo mudou. ele precisou sair daquela escola e então a distância fez com que os dois percebessem como eram importantes um pro outro.

eram crianças, mas já haviam percebido que o que sentiam ia além de uma amizade e, incrivelmente os dois contaram sobre isso pra mesma pessoa. foi assim que aquele namoro de crianças começou, foi se desenrolando via MSN e Orkut, mas acabou não dando em nada na época.

os anos iam passando, mas eles nunca se esqueciam. ele arranjou outras namoradas, ela se apaixonou por outras pessoas, mas sempre que eram lembrados sobre a existência um do outro parecia que algo dentro deles era reaceso.

era incrível como tudo conspirava para que eles se reencontrassem… amigos em comum, a vizinhança, tudo parecia levá-los a estar juntos. e foi o que aconteceu.

dez anos depois daquelas duas crianças se conhecerem na escola, os dois adolescentes que elas haviam se tornado se reencontraram. ela passou a estudar nas duas escolas onde ele estudava e eles passaram a se ver todos os dias a tarde e a noite, voltavam pra casa juntos, e foram percebendo que ainda se gostavam, que eram mais do que amigos.

nem tudo foi lindo, houveram complicações, brigas… e no fim os dois sabiam o que queriam, mas os pais dela só lhes dariam a bênção pra namorar depois que ela completasse dezoito anos e ele prometeu esperá-la antes mesmo que ela completasse dezessete.

então, um dos sonhos dela se realizou: sair de casa para estudar em outro lugar. e nesse momento ele prometeu que iria atrás dela, que a distância, que eles já haviam vivenciado antes tinha prazo de validade.

naquele ano, no dia do aniversário de dezoito anos dela, ele apareceu com aliança e tudo e eles finalmente oficializaram depois de tanto tempo de espera e puderam mostrar pro mundo o amor que sentiam um pelo outro.

no ano seguinte, como prometido ele largou toda a vida que já estava construindo e foi atrás dela pra que a distância não os vencesse mais uma vez.

hoje, três anos depois do reencontro daqueles dois adolescentes, ela ainda escolhe se apaixonar por ele todos os dias e ele tira sorrisos dela o tempo todo. e os dois perceberam que na verdade tudo o que eles haviam passado até ali fazia parte dos planos de Deus para o felizes para sempre deles.

FIM ♡ (mas eles ainda viverão muitas e muitas histórias)

Foto de Nadia Nascimento